quinta-feira, 26 de junho de 2014

quinta-feira, 14 de agosto de 2008


Vá rolando este blog até lá no começo que você vai encontrar belas fotos, pensamentos, contos e belas imagens... E ao lado mais seis blogs meus! Divirta-se!
Eu, viajando de barco no rio Abunã, rumo aos seringais da fronteira do Brasil com a Bolívia em terras amazônicas.
Nas areias da praia do rio Abunã...

Borboletas na margem do rio Abunã...


Floresta amazônica...

ÁRVORES, BORBOLETAS, VENTOS
E O CALOR DA AMAZÔNIA
07 08 2008
1
Ontem conversei com árvores...
Sinto que elas gostam de mim...
E eu também delas...
Gosto dos seus frutos,
De suas flores,
Do seu silêncio...
Da sua sombra
Principalmente
Quando o Sol está bem quente!
2
Sinto que a árvore ama o vento,
Pois quando o vento chega
Ela estremece toda...
Suas folhas vibram(será de alegria?).
Eu também gosto do vento!
Eu e a árvore adoramos o vento...
O vento sussurra palavras em meus ouvidos...
Palavras que vêem de outras paragens...
De outras paisagens...
O vento ensina as plantas a moverem-se...
Se não fosse o vento
As folhas não dançavam!
3
O vento é que traz e leva os pensamentos,
Os sentimentos,
E as palavras...
O Vento é o mensageiro do coração!
O vento me traz mensagens...
Me traz saudades
E melodias distantes...
Sinto que o vento é meu irmão...
Eu e ele somos bem parecidos...
4
Pois, tal como o vento,
Não gosto de ficar muito tempo
Parado no mesmo lugar...
Estou sempre procurando novos horizontes...
A Amazônia é terra de calor vibrante...
Ainda bem que há cachoeiras, rios e igarapés,
E há também sucos de açaí,
Cupuaçu,
Cajá,
Biribá,
Caju,
Guaraná,
Puruí...
E há meninas morenas...
Com sorrisos brancos como o leite da seringueira...
Meninas brejeiras...
5
Calor + amor
É uma boa combinação!
São coisas próprias do coração!
Mas o que mais me chama a atenção
Na Amazônia
É seu céu azul e branco
Incomparável!
Abel Fernandes

A borboleta e a árvore...




Eu e a seringueira...





Dentro da floresta amazônica.






Borboletas da Amazônia...







Trilha dentro da floresta que leva ao seringal da Colocação Capinzal, fronteira com a Bolívia... Andamos a pé por essa trilha durante quase quatro horas em marcha acelerada para chegarmos antes do almoço...








No barco navegando o rio Abunã...









Eu, Abel Fernandes, colhendo seringa na seringueira. Foto feita no Seringal da Sunta, por M. Ronaldo Gonçalves Lorenzo, na manã do dia 22 de julho de 2008, no alto da Amazônia, fronteira com a Bolívia...










Trilha de seringueiro...











Vista do rio Abunã - Amazônia
PAZ NA AMAZÔNIA
Porto Velho - 09 08 2008
O céu
É uma tela de cinema azul...
Imensa...
Infinita!
Onde as nuvens são artistas silenciosas
E o enredo do filme
É paz...
Sómente paz...
Aqui na Amazônia...
Abel Fernandes











Vista do rio Abunã - Amazonas













Árvore medicinal (cicatrizante) chamada Apuí, típica da região amazônica.

AMAZÔNIA
Porto Velho - 09 08 2008
1
Estou em Porto Velho, agora...
Ando por estradas
Ladeadas
De árvores gigantescas...
Sinto vontade de abraçar seus troncos
Cheios de seiva
E vida!
(Já fiz isso algumas vezes,
E me senti forte!)
2
Uma árvore é expressão da vida aqui na Terra...
No mais alto grau...
Há vida nas folhas, nas flores, nos frutos,
Nos pássaros que habitam seus galhos...
Nos seus ninhos...
(As árvores velhas e ocas são cheias de túneis e labirintos...
E neles moram aranhas, lagartos, serpentes
E inúmeros outros insetos e animaizinhos...)
-Como os homens no mundo...-
As árvores são muito generosas!
São expressões da bondade infinita do Criador!
Nelas as formigas sobem e descem apressadas...
-Como os homens apressados no mundo...-
(Há sempre muitas formigas
Nas árvores da Amazônia!)
-Uma árvore é um mundo, um universo!-
Os homens deviam pensar muito
Antes de cortar uma árvore...
Cortar uma árvore
É destruir muitas vidas!
3
Quando o calor
É abrasador
Deleito-me com as sombras das árvores...
Depois de uma caminhada...
É bom banhar-se num rio
Ou lagoa de águas límpidas e geladas...
No balanço da rede eu descanso
Ouvindo belas músicas orquestradas...
Abelhas, insetos e borboletas
Estonteadas de sol
Zunem e voam ao meu redor...
A água do rio é bem gelada mesmo...
E o calor
É abrasador
Aqui na Amazônia!
4
Às vezes caminho
Só pelo puro prazer de caminhar
E sentir o calor da terra sob meus pés...
De repente, chove...
A água da chuva é uma benção
Aqui na Amazônia...
5
Encho meus olhos com o verde
Do reino vegetal
É a cor da esperança...
Tudo nas árvores fala de esperança...
Esperança de flores na primavera...
Esperança de frutos no outono...
Esperança de chuvas no verão...
E esperança de folhas secas
Levadas pelo vento
Quando chegar o inverno...
Abel Fernandes












Barco com passageiros subindo o rio Abunã (fronteira do Brasil com a Bolívia) de madrugada...















Barcos no rio Abunã, Amazônia
















Entardecer no Condomínio do Samurai... Porto Velho - Amazônia

















Entardecer no Condomínio do Samurai... Porto Velho - Amazônia


















Entardecer no Condomínio do Samurai... Porto Velho - Amazônia



















Acácia, planta maçônica




















Flor da Acácia, planta maçônica





















Borboletinha de asas verdes, raridade, quando pousada na folha da planta torna-se invisível... Rainha da camuflagem...






















Flor do Mariri























Flor da planta sagrada chamada "Mariri", com a qual, junto com outra chamada "Chacrona", faz-se um chá maravilhoso, que pode levar o homem ao céu, curá-lo, rejuvenescê-lo, e outras maravilhas que só podemos saber experimentando-o sem medo!























CONDOMÍNIO DO SAMURAI - PORTO VELHO

























VILA NOVA ESPERANÇA - PORTO VELHO


























CACHOEIRA DO TEOTÔNIO
























PORTO VELHO - AMAZÔNIA

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Vá rolando este blog até lá no começo que você vai encontrar belas fotos, pensamentos, contos e belas imagens... E ao lado mais seis blogs meus! Divirta-se!





AMAZÔNIA ERÓTICA
Porto Velho - 09 08 2008
ontem andei na chuva...
estava muito calor,
e choveu de repente...
uma chuva torrencial,
como são as chuvas aqui na Amazônia...
e eu fui andando na chuva...
água gelada...
batendo forte no meu corpo,
que arrepiava de prazer!
a chuva é diferente aqui na Amazônia...
é o esperma cristalino
de nuvens másculas
fecundando a Terra...
a chuva caindo na terra seca
é o mesmo que o homem apaixonado
abraçando a mulher extasiada de amor...
e ejaculando nela seu sêmen...
aqui na Amazônia sexo é como borboletas...
está por toda parte...
as cigarras estão no cio...
as rãs e os sapos estão no cio...
os peixes estão no cio...
as sereias, ninfas, ondinas,
nereidas e naiades,
todas estão no cio...
as mulheres (algumas) também estão no cio...
ah! meu Deus!
apaixonei-me
pela Amazônia!
Abel Fernandes

MINHA ÍNDIA
06 08 2008

Ontem uma borboleta pousou em meu braço...
Estava calor...
Borboletas gostam de suor...
E eu gosto do seu abraço,
Minha índia...
Minha linda!
Meu amor!
Ainda que eu voe para Sampa
Levo você comigo
No meu pensamento...

Abel Fernandes


"EU"

No início da década de 60 eu cursava a primeira série ginasial. Aos dezesseis anos resolvi voluntariamente abandonar os estudos. Levei uma surra do meu pai, fugi de casa, depois voltei e disse-lhe: “Se você me obrigar a estudar, fujo de novo e não volto mais!” Meu pai viu que eu não estava brincando e me deixou em paz. Uma tia que era professora perguntou-me: “Porque você não quer estudar mais, filho?” Eu respondi. Porque não gosto de decorar nada... Estão querendo que eu decore o nome de todos os rios do Brasil, de todos os ossos do corpo humano, todas as serras, montanhas, lagos, capitais, cidades... Querem que eu decore todos os nomes de presidentes... O que fizeram de importante... E eu sinto dor de cabeça, quando estou decorando! E eu pergunto... O que vou fazer com tudo isso, quando eu crescer? Quero apenas ser pintor e poeta! Para isso não preciso de saber nomes de rios, estados, cidades, ossos, presidentes, e os cambal!” Minha tia riu e viu que eu não tinha jeito, mesmo... Daí para frente passei a estudar por conta própria. Adorava ler livros de poesias. Li diversas vezes o “Espuma Flutuante” de Castro Alves. Cheguei decorar alguns poemas de tanto lê-los. Li e encantei-me com todos os poetas românticos. Fiquei fascinado com Augustos dos Anjos. Decorei diversos poemas dele. Depois descobri os modernos! Fiquei fã de Carlos Drumonnd de Andrade e Fernando Pessoa. Tornei-me amigo de poetas jovens da minha época. Tínhamos até um grupo, quando eu morei na cidade de Guaratinguetá. Freqüentava assiduamente a biblioteca da cidade, que era rica em livros de autores brasileiros. Depois apaixonei-me pela filosofia. Um amigo meu estudante de filosofia convidou-me a ir assistir aulas em sua faculdade. Fui e passei a ser apenas “ouvinte”... Os professores me deixavam participar das aulas. Nessa época eu era muito pobre e não tinha dinheiro nem para um cafezinho. Vivia de bicos. Era meio vagabundo, malandro, e tinha dupla personalidade. Uma era estudiosa, amante da poesia, filosofia, artes em geral. A outra era malandragem pura. Conhecia alguns dos bandidos mais perigosos de São Paulo! Meu apelido, na época, era “Toninho filósofo”. (meu nome é Antonio Abel) Uns me chamavam de Toninho "fisólofo” Outros, “Toninho Poeta”. Uma vez fui preso, algemado, porque fui pego com um bandido perigosíssimo, assaltante de bancos, ele fugiu e eu não consegui... Me algemaram e levaram-me para um camburão. Lá o tenente perguntou-me. O que você faz, moleque? Eu disse-lhe: estudo filosofia! Ele disse-me: vou te fazer três perguntas. Se você responder as três, eu acredito. A primeira pergunta: Quem foi Sócrates? A segunda: O que significa a palavra “filosofo”. A terceira: Qual a frase mais famosa de Descartes? Respostas: Um filósofo grego, que teve que beber um veneno chamado cicuta. Filosofo quer dizer: “amigo da verdade” Descartes disse: “Penso, logo existo!”, que resume toda a sua filosofia. O tenente ficou perplexo. Ele gostava de filosofia e eu fiquei falando sobre filósofos, histórias de sabedoria, e ele ficou fascinado com meu conhecimento. Perguntou-me: “O que você estava fazendo com o “Birita”? Esse era o apelido do assaltante de bancos. Eu respondi. Ele é meu vizinho, e somos amigos desde a infância... Só porisso. Nisso chega o Birita, desarmado, levantando a camisa para mostrar que veio em paz. Conversou com o tenente um pouco e o tenente deu ordens a um soldado para me soltar. O soldado soltou-me e fomos embora, eu e o Birita. Perguntei-lhe. O que você fez. Ele disse: Dei dez contos pra eles soltarem você!” E disse que depois daria mais... (Dez contos, equivalente a dez mil reais hoje!” O Birita tinha um colchão forrado de dinheiro. Tinha dinheiro enterrado no quintal. Nas paredes. Eu tinha dezessete anos, na época. Isso foi em 1962! Com certeza o Birita já deve estar morto hoje.
Nessa época ele já havia levado diversos tiros um bem no meio da barriga. Ficou várias semanas internado num hospital, mas sobreviveu.
Graças aos meus estudos consegui sobreviver, regenerar-me, aprender a pintar, e graças também aos meus conhecimentos artísticos tornei-me marchand, antiquário e livreiro. Com isso consegui criar quatro filhos, nenhum estudou mais do que a primeira série, como eu, mas todos estão bem encaminhados na vida.
O mais velho é marchand, o outro é pintor premiado, desenhista, ilustrador e marchand também. Meu genro é restaurador e moldureiro e o meu filho mais novo é seu aprendiz. Todos vivem confortavelmente e a caminho de um sucesso cada vez maior! Acredito, portanto, que a melhor escola é o mundo! O melhor professor é a prática! O melhor mestre é a vida! E o que nos leva verdadeiramente ao sucesso, ao êxito é o amor as artes e ao conhecimento! Quem aprende “obrigado ou forçado” esquece rapidamente tudo o que aprendeu, e quem aprende por amor, por prazer, por diversão, nunca mais esquece!
A melhor educação é incentivar o filho a ler e estudar o que ele gosta! Não o que “nós” queremos. Tenho um amigo que o pai obrigou-o a ser médico! Só que ele desmaia quando vê sangue! Hoje vive de música! E muito melhor do que qualquer médico! Se o pai dele tivesse incentivado ele a estudar música, hoje, provavelmente, seria um grande maestro! Por isso é preciso ver a Educação, o Ensino, o Mestrado, as Leis da política brasileira com olhos bem críticos... Isentos de preconceitos, de prejulgamentos e de preguiça mental! Viver a vida! Sentir, ver, ouvir, participar, viajar, pensar, amar, chorar, exultar, ir contra, verbalizar, exprimir, protestar, expressar, curtir, declamar, fotografar, escrever, publicar, pintar, ganhar dinheiro, comunicar, viajar, gastar! Isso é o que eu faço! Isso é que é viver! E é assim que se aprende de verdade!

Abel Fernandes



sexta-feira, 27 de junho de 2008

QUANDO
Porto Velho, janeiro de 2008

quando você chegar ao ponto
de não saber nada
sobre o próximo minuto
e quando o desconhecido
atraí-lo mais
que uma noite de amor ou um sorvete de passas ao rum
quando sua mente penetrar naquele silêncio de florestas
e as dúvidas invadirem seu espírito
sem despertar tristezas
e as palavras fugirem da sua língua
como as gazelas fogem da boca esfaimada da pantera
quando você sentir vontade de estar só
apenas para ouvir o sussurro do vento
batendo nas folhas das árvores
quando você descobrir que sentir a brisa da manhã
é melhor
do que beber um copo de vodka gelada
fumar um cigarro
ou comer uma suculenta feijoada...
quando você sentir necessidade de abraçar o estranho
que anda cabisbaixo na rua...
e conversar com árvores e nuvens,
e com pedras, relva, estrelas, ondas e areias
e finalmente quando você esquecer o tempo
e sentir-se menino
com desejos de voar nas asas da alegria
e não mais querer saber se o amanhã é feito de rosas
ou espinhos...
quando você for capaz de escrever um poema
com gotas do seu próprio sangue
misturadas com as de orvalho
e raios de luar...
mas sem derramar uma só gota de lágrima
e manter um sorriso nos lábios
e o seu coração estiver leve como uma pluma ao vento...
só estão você estará vivo de verdade!
só então você não será mais um cadáver ambulante
no meio da procissão de mortos...
que sonham vidas imaginárias...
e passarão sem deixar vestígios...
como milhões de outros passaram...


BELEZAS DA RUA...
São Paulo, julho de 2008

Entrei de manhã na internet...Li: Caminhão bate em 11 carros!
Não deixe de ver... Índia deficiente é assassinada! Não deixe de ler as notícias...
Desliguei imediatamente o computador e a internet!
E saí à rua...
Fui andar ao sol... Que maravilha é o sol! Vi uma arvorezinha de formato circular, as raízes em formato circular, e as folhas também em formato circular, pintadas com as cores verde e amarelo... Em cada haste havia nove folhas... Todas as hastes tinham nove folhas!
Que plantinha inteligente essa! Pensei comigo... Nove folhas... Porque nove folhas em cada haste? Não podia ser três, quatro, oito? Nove folhas! Essa planta, daqui alguns milhões de anos vai evoluir e se transformar num gênio da matemática! Pois se agora, que ela ainda é do Reino Vegetal, já sabe, como Pitágoras, que nove é um número perfeito e completo, porque nele estão contidos todos os outros números, imagine quando ela evoluir e virar gente! Que plantinha inteligente!

Continuei caminhando... Vi uma árvore forte, gigantesca... Suas raízes racharam a calçada toda!
O homem fez o cimento na calçada e a planta com sua força lenta e silenciosa quebrou toda a caçada do homem! Para que a água da chuva possa penetrar na terra... E chegar até as raízes das outras plantas... Que árvore inteligente essa!

Parei num gramado e vi o tanto de vida que há em apenas uns poucos centímetros de terra!
Continuei andando e vi outra arvorezinha com uma flor vermelha! Que vermelho vivo! Que vermelho intenso! A flor parecia uma explosão de filamentos vermelhos! Era em formato de bola! Que flor linda! Parecia o pompom do capuz do Papai-Noel! Que artista maravilhoso se esconde por trás dessa plantinha? Capaz de fazer uma flor tão linda! E tão vermelha...

Continuei andando e vi um mendigo se banhando... Na porta de sua cabana feita de paus e plásticos... E depois ele se sentou num caixote e começou a cortar seus próprios cabelos olhando num caco de espelho menor do que a sua mão! E não estava triste... Estava até feliz! (ele não tem computador... Não lê as notícias da internet...) Agora eu pergunto: Porque há pessoas que querem que vejamos o caminhão que bateu em 11 carros? E uma pobre índia deficiente que foi assassinada sabe-se lá por quem? E bota esses anúncios bem na cara da gente, bem na capa do internet-explorer!
Quem tem que ver isso é a polícia ou o presidente Lula! Para tomar as devidas providências!

Eu prefiro olhar o azul infinito do céu e contemplar nuvens andarilhas...
Eu prefiro olhar as plantas, os jardins, as árvores silenciosas e inteligentes...
Eu prefiro olhar um pedaço de terra e ver a vida que há nele!
Eu prefiro olhar uma joaninha amarela toda pintada com bolinhas vermelhas...
Eu prefiro olhar as asas de uma borboleta... Uma formiga carregando um pedaço de folha... Uma lagarta toda espinhuda devorando uma folha tão entretida que nem olha para os lados... E saber que um dia ela vai virar a bela borboleta e vai ter todo o azul infinito do céu para voar e todas as flores para visitar!

Eu prefiro olhar uma moça linda andando na rua... Balançando seu corpo de rainha... Seus cabelos lisos, ou cacheados... Com seus olhos negros, castanhos, verdes ou azulados, olhando para mim desconfiados... Mas não precisa ter medo de mim, garota! Estou apenas admirando sua beleza feminina! Fique tranqüila, menina... Sou apenas um poeta que ama a beleza! Sou apenas um poeta, menina, e você é uma bela poesia qua anda...











quarta-feira, 25 de junho de 2008

CANÇÃO DA SELVA
Porto Velho, fevereiro de 2008

há cipós na floresta
rastejando entre folhas vivas
e mortas
como serpentes famintas...
vêem de paragens misteriosas
onde anjos irradiam seivas de sonhos
em sussurrantes brisas amorosas...
e há cipós que são raízes
penetrando na terra úmida
como sondas vegetais.
e há cipós que pulsam
como artérias verdejantes
circulando seivas
em corações de árvores milenares...
e há cipós que falam
em linguagens silenciosas
falam de flores, de rosas.
de segredos
e mistérios...
contam histórias heróicas
com enredos muito sérios...
falam de jardins perfumados
de palácios encantados,
de reis, rainhas, princesas
de imaculadas belezas,
e de lírios orvalhados...
e no silêncio de matas com ecos de pássaros
e gritos de invisíveis animais
ouvem-se cantos de insetos ocultos entre folhas
e chamados de sapos e rãs antediluvianos
onde lianas sobem em árvores
e vão espiar horizontes verdes!
ah! meu Deus! na verdade
sinto que ainda tenho muito que aprender
do reino vegetal!


floresta

PV- 30/01/2008

pisar em chão de musgo úmido
recoberto de folhas ressequidas,
com gravetos secos
e sementes
e restos de insetos
e sombras
e pálidos cogumelos
e ouvir o ruído dos passos
misturados com cantos de pássaros
e o coaxar de multicoloridas rãs
ocultas sob folhas verdejantes
e ouvir o sussurro do vento
brincando em folhas dançantes
e também estampidos longínquos de galhos secos
a se quebram na mata!
e saber que dentro da floresta
há espíritos silenciosos...
há espíritos que moram em árvores
em seus galhos
em suas folhas
em suas flores
em seus frutos
em suas sementes
em suas seivas
em suas raízes...
e há espíritos silenciosos
que choram lágrimas de orvalho
e de sereno
ao ouvirem o canto estridente
de serras elétricas
de homens sem alma
e sem coração
cortando troncos
de árvores centenárias!...

ESPELHOS

São Paulo, março de 2008

no meio de espelhos me movo...
vejo-me nos espelhos
ora triste
ora alegre
às vezes chorando
à vezes contente
ora cantando, rezando
mas... de vez em quando,
irreverente!
vejo-me refletido em mil facetas coloridas!
cada espelho fala-me do que sou
do que sinto
do que vou
do que escondo
do que minto!
cada espelho é um reflexo da minha vida!
em cada um vejo minha alma refletida!
cada espelho é um sinal, um arcano, um mistério!
alguns refletem meu lado alegre
outros meu lado sério!
ando entre espelhos que não sabem que são espelhos!
uns estão inteiros, límpidos, polidos,
outros embaçados, sujos,
alguns trincados, partidos...
ando no meio de espelhos refletores
que refletem ódios, tristezas,
amores....
espelhos que falam,
riem,
sentem prazeres e dores...
ando no meio de espelhos que não sabem
que eu também sou,
para eles,
um espelho!

tarde de verão em porto velho
01 02 2008

vento da tarde.
o bambu,
humilde,
reverente,
curva-se até o chão....
uma chuva cai, de repente...
sem relâmpago,
ou trovão...
é chuva de verão...
na beira da lagoa
chora
derramando lágrimas de garoa
o entristecido chorão...
um besouro ruidoso negro
brilhante,
voa...
zzzzzzzzzzzzz...
voa pesado
desajeitado...
voa a esmo
e vai pousar lentamente
numa folha de taboa...
chega a noite estrelada...
uma lua rosada aparece...
o sentimento é de paz, sossego, prece...
e o vento, continuado,
soprando, zunindo, cantando
a toda floresta
abençoa...

canto da floresta
31/01/2008

o silêncio da floresta
é um silêncio misterioso, compacto,
algo no universo
que ainda permanece intacto!
uma massa de zumbidos,
de ruídos
de folhas balançando,
de folhas roçando uma nas outras,
de pequenos grilos no cio...
de pios, arrulhos, cicios...
são barulhos
de minúsculos motores
de insetos zumbidores...
se você prestar atenção
há de ouvir um ruído estranho dentro da floresta...
um ruído quase inaudível,
misterioso
e indescritível...
mas tão real como o canto da juriti,
e o piado do anu,
do chamado do bentevi
e do gemido triste do nambu...
é o ruído de milhões de formigas
andando apressadas
nervosas, atarefadas
em cima de folhas secas
levando mantimentos
para os labirintos de suas tocas profundas...
é o ruído de milhões de raízes
perfurando a terra úmida
na eterna busca da água vital!
e da seiva subindo,
se expandindo
pelo cerne do reino vegetal...
e se transformando em galhos
folhas, flores,
frutos...
se você silenciar sua mente,
aquietá-la suavemente
e ouvir com muita atenção
há de ouvir um ruído aveludado...
são aranhas tecendo suas teias...
são crisálidas
metamorfoseando-se em borboletas...
são sementes germinando
debaixo da terra grávida...
são cogumelos crescendo e se espalhando
nos troncos apodrecidos
da floresta...
são serpentes rastejando
por entre folhas secas no chão...
são abelhas
fabricando o precioso mel!
são flores desabrochando...
e pétalas se desprendendo suavemente
para colorir e perfumar
o sombreado chão...
são folhas caindo lentamente das copas verdejantes...
são pássaros voando ao longe...
são igarapés correndo dentro da mata...
na verdade,
não há silêncio dentro da floresta!
só existe silêncio
no interior do homem
e é só com esse silêncio
que ele pode ouvir
a grande sinfonia
da vida florestal!




PORTO VELHO
neste lugar de paz
o silêncio é uma serpente invisível
que flui pelos meandros ensombrados
de raízes silenciosas
a procura de palavras
misteriosas
e sussurrantes...

rios de águas caudalosas
fluem etéreos
carregando peixes de desejos
e lagartos com escamas prateadas
dormem sorridentes ao sol
e matas cantarolantes de vento
filtram relâmpagos dourados
e gritos de pássaros labirínticos
perfuram tímpanos distantes
e anus e japins entoam seus cânticos ecoantes
em raízes encobertas
por águas impregnadas de saudades...

O índio contempla silencioso
um céu azul cobalto
em busca do pássaro mágico
que o levará um dia ao país
onde araras douradas
cantam melodias azuis
silenciosas...


Porto Velho é uma gota de sombra
numa imensa ilha de cascalho
e musgo
em águas amazônicas!

quinta-feira, 5 de junho de 2008

O QUE VOCÊ TEM AGORA!
(São Paulo, 07 06 08)
A gente só dá valor à infância,
quando ela já passou...
Quando ela ficou lá no fundo da memória...
E não há como voltar atrás!
Não há como tirar os pelos dos rostos...
O cansaço dos músculos e ossos...
O branco dos cabelos...
Paletós empoeirados...
Não há como vestir novamente
aquelas calças curtas até os joelhos...
Não há como voltar a correr pelos campos e prados...
E depois deitar-se na grama verde
e sonhar que é um Super-homem,
ou um Batman ou um Robin!
A gente só dá valor ao amor quando ele foi embora...
Quando a casa ficou silenciosa, como agora...
Quando não há mais aquela saudosa presença,
aqueles ruídos de panelas fumegando no fogão...
E aquelas batidas fortes no coração...
Quando não há mais aquele calor gostoso na cama,
vindo da mulher que a gente ama,
aquele cafezinho quentinho de manhã...
A gente só dá valor ao amor
quando a solidão veio sentar-se no sofá da sala,
e contar-nos lindas histórias de tempos antigos,
quando os minutos eram amigos,
e se alongavam, e se derramavam lentamente
em dias cheios de alegria,
e havia esperanças de melhores dias,
e o ar era impregnado de poesias,
e havia noites estreladas,
e a gente saia por aí andando por estradas de mãos dadas somente para contemplar o luar...
Quando a gente se aquietava para ouvir melodias...
A gente só dá valor à felicidade
quando o véu cinzento da tristeza
veio envolver a nossa alma,
e tudo é vazio e frio,
e o destino é um rio
que corre silencioso pelas noites
e os fantasmas rondam pela casa vazia
e a cama fica assim tão fria...
Portanto, amigo,
acaricie sua mulher enquanto ela está aí contigo,
dê-lhe presentes enquanto ela está presente...
Abrace-a enquanto ela está bem aí na sua frente...
Diga-lhe as palavras mais carinhosas
enquanto ela não se fez ausente!
E ande, corra, se movimente
enquanto seu corpo pode,
olhe as flores, as nuvens e as estrelas
enquanto seus olhos são capazes de vê-las...
Enfim amigo, vive a vida intensamente,
não deixe que o entusiasmo se ausente,
vive, amigo, vive agora o momento presente!
Vive amigo!
Enquanto a vida está aí contigo
E também comigo...
Agora!
Abel Fernandes
Foto de Eduardo Barrox

A ARTE DA FOTOGRAFIA
É preciso que haja em primeiro lugar o olho do artista! Que é o essencial para buscar, encontrar e mirar a beleza... De um rosto diferente, de um inseto ou animal raro! De uma paisagem, de uma sombra, de um amanhecer, de um por de sol, de um arco-íris, de um luar... É preciso que haja os olhos atentos em busca da estética, do contraste ou da graça! Da espontaneidade nos gestos! Da geometria das formas... Ou mesmo da feiúra ou um fragrante de cena de miséria, de irreverência qualquer... De uma cena rara, de um ato de desatino ou de loucura. É preciso que haja o bom gosto aliado ao senso de poesia para captar aquele raio de sol na pétala da flor, ou aquela gota de orvalho na folha do bambu, ou aquelas cintilações na superfície de um lago... É preciso que haja um intenso amor à vida, à natureza, à humanidade para descobrir resquícios de beleza, expressões de grandeza e sacralidade ocultas dentro do comum e do cotidiano... É preciso que haja a arte pelo puro prazer da descoberta, pelo puro prazer do encantamento, do deslumbramento, do êxtase diante da existência que passa... A máquina, a lente, a memória digital, por mais eficientes e caros e perfeitos que sejam de nada adiantarão se não houver o olho sagaz do fotógrafo em busca do inusitado, do inédito, e a presteza e agilidade para clicar no momento exato! E o enquadramento, e o uso ou não do flash, e também a capacidade de escolher a quantidade de luz mais adequada... E o gosto pela imagem, e o prazer de registrar e gravar as nuances de um mundo em movimento, em mutação permanente... E a paciência para esperar o momento exato... E também a esperteza e ousadia para ir fotografando detalhes íntimos das pessoas em permanente distração dentro da vida... Expondo-se a levar palavrões, sopapos e até perder a máquina em certas condições mais perigosas... Enfim, ter essa paixão pela imagem, pelas formas, pelas cores... É preciso ser artista! Pintor! Desenhista! Poeta! E andar sempre com a máquina pronta, preparada e engatilhada... Fotografar é preciso! Viver não é preciso!

IRRITAÇÃO, O QUE É...

A irritação é uma forma que a natureza nos deu para lapidarmos-nos, para melhorarmos-nos, para aprimorarmos-nos e para evoluirmos! Porque quando a gente se irrita, algo está errado em nós... E o que temos que fazer, então? Trabalhar psicologicamente para sanar o erro. Por exemplo, a mãe se irrita porque a criança é inteligente e quer saber tudo... Vejam. A criança é toda vitalidade, toda despreconcebida, toda solta e descontraída... A mãe já perdeu aquele deslumbramento da criança... Tornou-se bitolada com o passar dos anos, uma pessoa preocupada, ansiosa, doente, psicótica. Já não tem mais aquele anseio de aprender que tem toda criança. Aquele êxtase pela vida! Isso é um mal, uma psicopatia, uma doença que ela adquiriu no mundo com o passar dos anos... Se ela continuar assim, vai envelhecer rapidamente, vai esclerosar, adoecer, ficar feia, opaca, sem vida. A criança, que é uma expressão da força da Vida na Terra, tem a alma ainda tenra, inocente, pura, está mostrando-lhe como sair dessa situação, mas ao invés dela prestar atenção nessa mensagem do Universo para ela e buscar a sua criança interior, que está dormindo, e precisa acordar urgentemente para melhorar sua vida, sua saúde, ela se irrita, grita com a criança, maltrata-a, castiga-a, bate nela, e com esses atos vai contaminando a criança com sua doença, vai deformando-a, bloqueando-a, escurecendo-a pouco a pouco... Anos depois a criança vai ser outra doente, outra psicótica, outra ansiosa, outra infeliz, e vai contaminar outras e outros e mais outros até a humanidade inteira ficar mergulhada num pesadelo horrível e Jesus ter que vir ao mundo ensinar de novo os homens a serem crianças novamente! "Em verdade vos digo, se não vos fizerdes como as criancinhas, jamais entrareis no reino dos céus", que é o reino da felicidade, da paz, do amor, da saúde, da alegria e da harmonia... Portanto, quando a gente se irrita com alguém, seja criança ou velho, seja amigo ou inimigo, seja parente ou estranho, é porque algo está errado em nós... Então temos que descobrir o que está errado e trabalhar sobre esse lado de nosso ser para conquistarmos a saúde anímica e o bem estar a que todos temos direito!
Abel Fernandes

OFENSA, O QUE É?

Se uma pessoa nos diz algo, e nos ofendemos, é porque “somos” esse algo, por isso nos ofendemos... Ofender-se é a mesma coisa que abrir-se uma fenda, um buraco, por onde está sujeito a vazar aquilo que tem que permanecer dentro, oculto, fechado a sete chaves... Por esse buraco vai sair energia acumulada durante anos, ou um monstro psicológico, (uma crise de raiva, ira, descontrole, ou um desatino qualquer,) que vai aprontar alguma... E como o pai desse monstro é a pessoa descuidada a culpa vai cair sobre ela... Se não somos aquilo que a pessoa nos classifica, para que vamos nos aborrecer? Quando nos ofendemos e nos aborrecemos, é porque “algo” que estava escondido nas sombras do “inconsciente” foi atingido e vem à tona... De certa forma psicologicamente falando, é até bom que pessoas nos ofendam de vez em quando, porque só aí é que podemos observar-nos e verificar nossos defeitos, falhas, e coisas indesejáveis que moram dentro de nós, e às vezes nem percebemos... Nem nos damos conta... Assim como há doenças físicas, orgânicas ocultas no organismo, e elas passam anos despercebidas, até que um dia, devido à um esforço excessivo, uma corrente de vento, um resfriado qualquer, elas surgem para azucrinar, tirar o bem estar e a alegria da vida, assim também há doenças psicológicas, anímicas, que surgem de repente e causam sérios problemas e transtornos nas vidas das pessoas descuidadas... Um exemplo: alguém diz que eu sou desonesto, mas eu sei que não sou e todos sabem disso... Para que, então, perder a linha, ficar magoado e ofendido? Ele é que se desclassifica a si mesmo ao me chamar por algo que não sou! Se eu me ofendo, me irrito, me aborreço e parto para a réplica, para a briga, isto significa que o que ele disse me atingiu em cheio e eu desci para o seu nível... Então é melhor eu ficar na paz e na serenidade porque quem age assim só tem a ganhar sempre! E deixar que o outro permaneça no seu nível que é o lugar onde ele merece ficar enquanto não aprender a respeitar os outros... E examinar-nos direitinho, profundamente, imparcialmente, e descobrirmos o que temos que fazer para nos livrarmos desse “ALGO” desse defeito, dessa ”coisa infeliz” que nos inclina a descer, ao invés de subirmos... Apaga-nos, ao invés de acender-nos... Obscurecer-nos, ao invés de iluminar-nos... Entristecer-nos, ao invés de alegrar-nos... Abel Fernandes

Abel Fernandes declamando um poema de sua autoria
nos estúdios do jornal Café Literário- Foto de Eduardo Barrox

O jornal "Café Literário", no qual publico meus poemas, avisou a todos os seus redatores, poetas, escritores e colaboradores que o tema do próximo número é o assunto "guerra", e como somos um grupo a favor do "Amor e da Paz", e há rumores de guerra no mundo- o Estados Unidos parece estar se preparando para uma nova guerra contra um país lá do oriente e todos os jornalistas e escritores do mundo provavelmente devem estar iniciando (ou pensando em iniciar) uma campanha de paz e nosso jornal está engajado nessa corrente, escrevi, então, o seguinte texto, por enquanto (estou preparando mais...).

GUERRA? PAZ E AMOR!
(Embora o autor seja favorável a todas as formas de amor, a todas as suas gradações, pois o amor é sempre benéfico, atrativo e construtivo, ele é adepto do Amor Único, aquele que vem do um, da unidade, aquele que escolhe "um" entre muitos, e investe tudo nele, como o comerciante de pérolas da parábola cristã, que vendeu todas para comprar uma, a mais bela, a mais perfeita e a mais rara de todas! No texto a seguir há que se levar em conta que ele expressa com fidelidade sua maneira de ver as coisas do mundo, e usa de imagens simbólicas e poéticas para dar força e dinamismo ao texto, e embora aparente valorizar a volubilidade, a multiplicidade, não é exatamente isto que tem em mente, senão valorizar o amor que é o oposto da guerra! De todas as manifestações de amor na Terra, o mais belo é aquele que realiza a unidade para chegar à Divindade... Escolhe um entre muitos e nele concentra todas as suas energias e possibilidades, formando um centro de energias construtivas e vivificantes! Este é que é o verdadeiro amor divino.)
O que eu penso sobre a guerra no mundo? Eu penso assim... Enquanto outros preparam a guerra, eu prefiro ficar contemplando uns olhos lindos que eu descobri em algum lugar do Brasil, talvez Porto Velho, São Paulo, talvez Rio, umas “meninas” que são as coisas mais lindas do mundo! Sabem? Por elas vou a qualquer guerra, empunho metralhadoras, uma em cada mão, dirijo um tanque blindado, enfrento um exército, rastejo em qualquer floresta vietnamita, me jogo de pára-quedas e sabem-se lá mais o que sou capaz de fazer! Enquanto os caras lá dos "steites" e de outras bandas ficam treinando suas bazucas, afiando baionetas, enchendo de pólvora e pontas de aço granadas, maquinando suas manobras de guerra, ataques e bombardeios, eu fico escrevendo meus poemas... A maioria para as belas moças/donzelas... E observando seus lindos olhos castanhos esverdeados, ou verdes acastanhados, ou só castanhos, ou só verdes, ou azuis, (ou talvez negros?) são tão lindos que já nem sei mais se suas cores são deste ou do outro mundo!... E fotografando seus rostos de princesas/rainhas, seus cabelos cacheados e seus sorrisos aperolados. Enquanto se trama, eu teço e bordo... Enquanto se armam, eu amo... Enquanto se maquina, eu me animo me afino e me faço menino... Enquanto se agride, eu progrido e convido todos ao êxtase do amor... Enquanto atraem dores, eu me perco em amores... Eu me deleito com flores, odores e cores... Enquanto fabricam morte, eu agradeço a sorte de estar vivo e poder rir, amar, dançar, viajar, sonhar, ler e escrever... Abel Fernandes

POESIA

Tire o chapéu da cabeça de um homem,
Tire o homem de cima do seu sapato,
Tire o sapato de cima do cimento,
Tire o cimento de cima da terra
E o que fica?
Fica a Poesia!
Poesia é o que fica
Quando se tira a ganância do lucro,
O desejo de posse,
Os interesses mesquinhos,
A pressa,
O medo;
A raiva
E a mecanicidade...

Poesia é sair à rua sem rumo e sem destino...
E chegar exatamente no melhor de todos os lugares!
Depois,
Voltar pra casa,
Não ligar a televisão,
Nem o rádio,
Nem o chuveiro...
Não sentar nem deitar...
Nem pegar telefone...
É chegar simplesmente
E sentir

Em toda sua plenitude
Apenas o momento da chegada!
E agradecer ao Universo
Por ter um lugar nele!

Postado por Abel Fernandes às 14:13 0 comentários
Sexta-feira, 30 de Maio de 2008

O MAIOR ARTISTA DO UNIVERSO!

Por Abel Fernandes

Eu acredito que o maior artista do Universo é Deus!
Ele devia estar de bom humor quando criou a girafa, o elefante, o hipopótamo, o camelo... Resolveu brincar um pouco, e estava muito bem humorado mesmo, e ai criou a baleia azul, e logo em seguida as outras de cores variadas, e depois o polvo e as águas vivas, e as lulas... As minhocas vieram por um descuido... Provavelmente um rascunho antes de criar as cobras e serpentes... E foi criando, criando, criando... Numa manhã estava bem inspirado mesmo, e aí criou a mulher! Esse foi o melhor momento! O de maior criatividade! Foi depois disso que Adão começou a ficar esperto e gostar de estar vivo! Antes ele olhava para o Paraíso, bocejava, e ia dormir um pouco à sombra de uma árvore qualquer... Mas depois que a mulher apareceu, ele nunca mais pode dormir em paz... Até hoje está perplexo diante dessa maravilha divina que Deus criou... E seu deleite é saber que ela saiu de dentro dele! Por isso é que está sempre grudado nela! E ela nele... Deus é o Ser mais bem-humorado do Universo! Faz cada uma!


O QUE É POESIA?


PENSAMENTOS E REFLEXÕES SOBRE POESIA
Por Abel Fernandes

A Poesia serve para a gente sentir coisas inusitadas, ver a vida por outros prismas diferentes, com outros olhos... E isso nos leva redimensionar, reestruturar, revolver o terreno fértil da nossa alma e fazer brotar nele novos ramos e novos rumos...

A Poesia serve para nos tirar da monotonia do dia a dia, para levar nossa atenção para outra dimensão, para despertar, acordar e fazer-nos prestar atenção na vida que passa...

A Poesia serve para despertar em cada pessoa sentimentos de alegria, êxtase, saudade, tristeza, fé, anseio, anelo, e levá-la a expressar tudo isso em palavras no papel...

A Poesia serve para ativar o lado criativo de cada um e valorizar a percepção, a sensação, o sentimento e a emoção...

A Poesia serve para criar um porque do viver, um motivo de existir, serve também para empurrar-nos pra frente e fazer-nos mais humanos, mais vivos, mais ativos e mais divinos!

NO QUE VOCÊ SE TRANSFORMARÁ NOS PRÓXIMOS SETE ANOS DEPENDE DE DOZE COISAS ATUAIS: 1-Do que você quer agora no íntimo do seu Espírito. O que você quer no íntimo do seu espírito? Melhorar, agir, ser alguém, construir um mundo melhor e um futuro feliz? Expandir seus conhecimentos? Ou estacionar, acomodar-se, descansar, dormir, e deixar tudo do jeito que está para ver como tudo fica? Se você não quiser nada, não vai acontecer absolutamente nada, não vai mudar nada, tudo será uma repetição do hoje e a tendência geral é a coisa piorar, porque o tempo é implacável... Ele passa, queira você ou não, e se você não quiser acompanhar a passagem do tempo e com ele a transformação e evolução de tudo o que há em sua volta, você estacionará e ficará para trás! Portanto, é preciso QUERER! Se não existir em você um QUERER REAL, nada acontecerá, nada mudará, nada se desenvolverá, nada melhorará, nada crescerá, nada se expandirá e nada evoluirá em você! O primeiro passo, portanto, é QUERER, e o QUERER é um sentimento forte que vem do íntimo do ser, de dentro do seu coração! É um sentimento às vezes até doloroso que incomoda e deixa você inquieto, atento, alerta mas muito ATIVO interiormente! Pronto para agarrar as oportunidades que forem passando em diante de você, nem que seja até pelos cabelos! 2-Do que você está pensando ou imaginando agora. Sim, o que você está pensando ou imaginando agora é muito importante na sua vida! Observe como sua cabeça não para um minuto de pensar, e sua mente não para um minuto de imaginar... Pensamentos e imaginações povoam seu mundo interior, e são eles que dinamizam seus desejos, sentimentos, emoções, sensações, estados de alma, impulsos, anelos, anseios, enfim, todo o seu mundo psíquico e interior e é através desse MUNDO INTERIOR que você se expressa e vive no mundo exterior! Se ele está bem, tudo também está bem! E se ele está mal, tudo também estará mal! Cuide, portanto, com muita atenção do seu mundo interior e cuidado com as coisas que passam pela sua cabeça, porque é daí que vem quase tudo para você! 3-Do que você deseja, sente, ou se emociona agora. Seus sentimentos, desejos e emoções é que dão colorido ao seu universo pessoal... Ao seu mundo. De seus sentimentos, desejos e emoções dependem sua aparência, suas atividades na vida, sua maneira de se expressar dentro da sociedade, no seu meio-ambiente, na sua família, na sua religião, no seu trabalho e no seu clube... Se um infivíduo alimenta maus sentimentos, maus desejos, emoções negativas, seu rosto, seus gestos, seu aspecto, suas roupas, seus objetos pessoais demonstrarão isso, e todos notarão que ele não está nada bem, mesmo que ele faça tudo para mostrar o contrário... Não há como esconder uma mágoa, uma raiva, uma preocupação, um mau sentimento, uma emoção negativa! Tudo isso transtorna a fisionomia e cria em torno do indivíduo uma aura escura, pesada, sinistra, que só atrairá o pior e afastará os amigos e parentes do círculo de amizades, atraindo solidão e depressão num mundo interior tenebroso! Mas se você alimenta e mantêm sentimentos, desejos e emoções alegres, positivos, felizes, saudáveis e harmoniosos, todos os seus atos, gestos, expressões faciais e formas de comportamento expressarão em torno de você uma aura brilhante e luminosa que todos perceberão e com isso adorarão a sua presença! 4-Do que você lê ou ouve atualmente. Ler e ouvir são formas de alimentar nosso mundo mental e psicológico, e assim como há alimentos ruins, estragados, malfeitos, envenenados, deteriorados, falsos, enganosos, mal-intencionados, que causam grande prejuízo ao organismo, assim também há livros, músicas, programas de televisão, filmes, palestras e pessoas de baixo nível que só expressam ou falam coisas negativas e prejudiciais, às vezes até usando palavras aparentemente bonitas e coloridas... Essas influências são altamente perniciosas e decadentes. Fofocas, intrigas e más notícias estão impregnadas de vibrações inferiores e infelizes que só prejudicam os incautos ouvintes, telespectadores ou leitores... Mas o oposto também é verdadeiro. Há músicas, hinos e livros maravilhosos, a Bíblia, por exemplo, os clássicos, alguns de psicologia ou filosofia positiva, histórias reais de sucesso e liberdade, contos modernos ou populares das tradições mais antigas, fábulas, mitologias, alguns livros de poesia, bons romances, os de pensamentos, provérbios, e também há professores, mestres, líderes religiosos, instrutores que têm o dom da palavra construtiva e positiva, e há ótimos programas e filmes na televisão assim como boas músicas que só fazem bem a alma, e maravilhosos filmes de cinema... É sempre uma questão de saber procurar e escolher o melhor! 5-Do que você olha e observa no mundo hoje. O mundo, sem dúvida, é um manancial de formas, cores, imagens, paisagens, objetos que podem enriquecer nossa memória e nossos arquivos subconscientes de material de primeira mão! As melhores coisas que só fazem bem a nossa alma são aquelas de origem divina, como as estrelas da noite, o azul do céu, as nuvens brancas, os oceanos, os horizontes, a Natureza, com seus verdes, suas paisagens, suas cores, flores, os animais, os pássaros, as borboletas, enfim tantas e tantas maravilhas! E também as crianças, seus rostos inocentes, seus cabelos, olhos, gestos, sorrisos! E as pessoas elegantes, que se vestem bem, com roupas alegres, vistosas, coloridas... Devemos evitar prender nossa atenção em lugares imundos, onde há muito lixo, sujeira, em pessoas desajustadas, desleixadas, perversas, viciadas e más... Devemos tratá-las com respeito e consideração, sem condená-las ou julgá-las, mas sem se deixar afetar pelas influências degradantes que se irradiam delas. 6-Do que você põe para dentro do seu corpo, ar puro, ou fumaça e poluição... Quais os tipos de comidas e bebidas que você ingere atualmente? Há todo momento estão entrando coisas em nosso corpo. Respiramos o tempo todo, e o que será que estamos respirando agora? Ar impuro, poluído, enfumaçado, sujo, empoeirado, viciado? Fumos de cigarros, cachimbos, charutos, etc.? Ou estamos respirando o ar puro da Natureza! Quantos dias ou meses da nossa vida passamos em lugares onde há muita vegetação? Em sítios, chácaras do interior onde há poucas fábricas e produtos poluentes na atmosfera? Esse é um cuidado especial que devemos tomar... O ar que respiramos vai direto ao nosso sangue, e do nosso sangue depende toda nossa saúde e bem estar! E da água que bebemos e os líquidos que ingerimos! Será que somos viciados em refrigerantes? Será que andamos bebendo água poluída de caixas-dágua mal cuidadas onde os morcegos e ratos soltam suas urinas e fezes constantemente? Não é muito melhor bebermos sucos de frutas naturais, produtos provenientes diretamente da Mãe Natureza, que só quer nosso bem? E os alimentos? Que tipo de matéria prima está agora entrando dentro de nosso templo sagrado? Quantas frutas, verduras e legumes nós ingerimos por dia? Com certeza nossa saúde depende muito do que jogamos para dentro do nosso organismo! 7-Do lugar ou lugares que você freqüenta atualmente. Que tipo de lugar você gosta freqüentar? Espero que não seja, lugares onde o vício e a decadência proliferam? Lugares onde o desrespeito, a violência, o descontrole, a droga, a perversidade, a desumanidade, a ignorância, a prostituição e a desarmonia imperam? Nesses lugares está-se sujeito a tudo o que há de pior! Mas existem lugares onde o Bem predomina, onde ele é a tônica constante... São os templos, as igrejas, as Escolas de Artes Plásticas, de Filosofia, de Música, de danças, as fraternidades, as irmandades, os grupos artísticos e de estudos... Os museus de arte onde o que o homem fez de melhor está ali guardado e preservado cuidadosamente, os teatros onde obras clássicas são apresentadas, onde há concertos musicais, apresentações de danças, músicas, poesias! Os jardins, os bosques, os rios, as praias... Esses são lugares de onde se irradiam vibrações altamente positivas e benéficas tanto para a saúde do corpo como da alma! 8-Das pessoas que estiverem com você hoje. Quem são as pessoas que o acompanham e fazem parte do seu círculo de amizades? São indivíduos equilibrados, ajustados, bem educados, bem intencionados, indivíduos do Bem, ou são pessoas desajustadas, desequilibradas e viciadas? O ditado “diga-me com que andas e eu te direi quem és” é bem verdadeiro! Cada pessoa irradia um tipo energia, de influência, um magnetismo pessoal, uma vibração que pode ser boa ou má, útil ou prejudicial, benéfica ou maléfica para você! Se as pessoas que o acompanham e seguem junto com você são pessoas boas, saudáveis, harmoniosas, é bem mais fácil para você atrair sorte, um destino e uma vida melhor! 9-Do que você dizer as pessoas e a você mesmo. Hoje todos sabem do poder do verbo, do poder da palavra! Todas as filosofias, religiões e doutrinas tradicionais sabem que a palavra é que atrai tudo ao homem! Tanto o bem como o mal. A oração é uma força muito poderosa. Pela oração a vida das pessoas melhora se equilibra e se ajusta. As doenças vão embora e a saúde vem ocupar o corpo dos indivíduos. E o que se diz a outrem e a si mesmo exerce um poder real na vida e no destino dos envolvidos. Críticas, julgamentos, condenações em excesso só prejudicam, e os elogios são sempre benfazejos! Se você quer ter saúde agora diga ao seu corpo em voz alta que você o ama, confia nele e o que você deseja dele e ele lhe obedecerá fielmente! O corpo é muito maleável, sugestionável e obediente. Ele ouve o que dizemos, retribui e cumpre as nossas ordens ao pé da letra. É o que ele sabe fazer... Muitos indivíduos são doentes porque vivem falando de doenças a si e a todos em seu redor! Afirmam e confirmam sua doença a cada hora, a cada minuto! E o corpo executa suas ordens com a maior fidelidade! É preciso, portanto, ter muito cuidado com as palavras! 10-Do que você fizer as pessoas e a você mesmo. Do que fazemos aos outros depende o que será feito a nós. Essa é uma das leis imutáveis do Universo, originada da Justiça Universal Divina. Jesus já dizia: “Não faças a outrem o que não queres que seja feito a ti”! “Com a mesma medida que medirdes, sereis medido.” As pessoas em nossa volta, aqueles que fazem parte do nosso círculo social constitui o terreno fértil onde podemos plantar as boas sementes que produzirão os frutos doces como o mel e as mais lindas e perfumadas flores... Mas se você, por ignorância e infelicidade, plantar espinhos (atos maldosos, injustos, interesseiros, egoístas e perversos) sem dúvida alguma só vai colher espinhos! 11-Do que as pessoas dirão a você. O que as pessoas dizem a nós exerce uma influência poderosa em nosso organismo, em nossa alma, em nossa vida e em nosso destino. Por mais que sejamos controlados e tenhamos certo domínio próprio, somos altamente influenciados pelo que os outros dizem a nós diretamente e a nosso respeito aos outros... Se só recebermos críticas e palavras duras e desagradáveis, a tendência é cairmos na depressão e no aborrecimento. Mas quando somos elogiados, parabenizados e agradecidos, nos tornamos mais confiantes, alegres e seguros. 12-E do que as pessoas farão a você e de você. Se nos cercarmos de pessoas de confiança, verdadeiros amigos, tratá-los bem, com bondade e justiça, darmos-lhes a devida atenção e fizermos-lhes todo bem que merecem, e continuarmos fazendo-lhes o bem mesmo se não merecerem, se formos solícitos e atenciosos, e correspondermos-lhes as suas expectativas amistosas e cordiais, elas, com certeza, também nos tratarão bem e darão a nós toda atenção que merecermos. E assim a vida será muito melhor e mais fácil para nós, certamente! LEMBRE-SE SEMPRE DISTO: “VOCÊ SÓ EXTERIORIZA AQUILO QUE VOCÊ TEM EM SEU INTERIOR, E UMA GRANDE PARTE DO QUE HÁ EM SEU INTERIOR, VEIO OU VEM DO EXTERIOR!” Abel Fernandes - artista plástico, astrólogo, mitólogo, ocultista, escritor, poeta e pensador.

sábado, 23 de junho de 2007


Abel Fernandes - Porto Velho - 2006 - Foto do autor

Clique sobre a imagem para ampliá-la


Abel Fernandes - 2006



Filhotes de curruira - Foto Abel Fernandes - Porto Velho 2007



Clique sobre as fotos para ampliá-las




Arara de Porto Velho





GÁRGULAS (conto)






Certa vez bebi um copo de chá Hoasca e vi uns seres estranhos. Tinham a forma de gárgulas. Pareciam figuras extraídas dessas histórias fantásticas dos contos de fadas. Eu observava-os fascinado, perplexo. Formavam um grupo de uns sete, cada um mais interessante que o outro. Estavam na minha frente observando-me. Como sou artista, pintor, tudo o que tem a ver com imagens, desenhos, formas, cores, desperta-me o interesse. Eu contemplava esses seres admirando suas formas e designers dignos de um Frazeta ou Boris Valejo. Não tinha medo deles... Ao contrário, sentia, sim, uma euforia, uma alegria espiritual maravilhosa, um sentimento de gratidão pelo Ser divino que nos possibilita ver o invisível, penetrar nesse mundo cujo acesso só é permitido aos iniciados, magos, bruxos, santos, profetas, videntes e feiticeiros... De vez em quando vinha-me também um sentimento de apreensão, um misto de medo e espanto, como se uma voz dentro de mim dissesse: “--- O que você está experimentando é algo misterioso, o qual pouquíssimos indivíduos no mundo tem esse privilégio! Será que você não está transgredindo alguma lei espiritual?” Ao mesmo tempo que vinham essas sensações e sentimentos vinham outros de alegria, o mesmo sentimento que ocupa a alma de um cientista quando descobre algo inusitado... Ou de um geólogo quando dá de cara com um mineral não catalogado... Ou um biólogo quando se vê frente a frente com um microorganismo totalmente estranho e inédito para a Ciência... O que eu sentia naquele momento era um misto de apreensão, (sentimento que nos invade quando estamos fazendo algo fora da lei, pisando em terreno proibido) espanto, admiração, respeito, todavia, ao mesmo tempo compenetrava-me um sentimento de segurança, confiança, pois sabia que eu estava bebendo o chá sagrado dentro de uma organização espiritualista sem interesses financeiros, ou de enganar, explorar e iludir o próximo. Bebia esse santo líquido com a permissão e licença de pessoas idôneas, equilibradas, limpas, cujos atos, fisionomia e comportamento expressavam bem suas boas intenções e caráter inquestionável!
Não conhecia muito bem algumas das pessoas que participavam da sessão, pois eu era um novato ainda nesse caminho, nem seus auxiliares, porém seus rostos, olhos, modo de vestir, falar, tudo isso irradiava equilíbrio, domínio próprio, controle emocional, e eu sabia porque estava bebendo o Chá amazônico... Não era um simples ato de curiosidade. Meu objetivo era de estudo sério, pesquisa, pois desde a idade de dezesseis anos venho trilhando esse Caminho do Esoterismo e Ocultismo... Já havia lido muitos livros sobre o assunto, e minha maior felicidade era estar, nesse momento, vivendo, experimentando, tendo acesso real a uma situação que antes apenas havia tomado conhecimento teoricamente, através de leituras... Esse conhecimento proveniente dos livros empalidece, some, desaparece, diante da experiência proporcionada pelo chá Hoasca!
Voltando a falar dos “seres” que eu observava e que também me observavam, eles estavam ali, diante de mim, tão reais e palpáveis como as árvores, os pássaros, os objetos que preenchem nosso mundo material. Via-os nos mínimos detalhes, nítidos, vivos, olhando-me tão espantados como eu espantava-me diante deles... E esses seres existem, realmente! Não neste mundo material, mas no outro, o que fica além da matéria, numa outra dimensão. Muitos artistas, poetas, escritores, principalmente os que escrevem fábulas, contos fantásticos, de terror, de ficção, graças a um dom especial, conseguem ver esses seres... As crianças, os animais, os índios, os loucos, também os vêem. A maioria dessas máscaras que preenchem o mundo pagão e mitológico dos indígenas e povos orientais são copiadas das visões desse mundo. Os monges, as pessoas muito fervorosas, os que praticam visualizações, meditações, de vez em quando também vêem esses seres em breves lampejos de clarividência! E ficam aterrorizados imaginando que são demônios... Rezam a Deus... e eles desaparecem...
E ali estava eu observando-os, fascinado, quando, de repente, começaram arreganhar-me os dentes... Eram dentes muito alvos, como marfim... No momento fiquei apreensivo, porém, como mostravam-me seus dentes de forma calma, serena, sem expressarem impressões de hostilidade, acalmei-me... Ficaram alguns minutos ali, arreganhando-me os dentes, enigmaticamente, depois sumiram... Em seguida vieram outras imagens, cenas da minha infância, recordações à muito esquecidas... etc.
Terminada a sessão fui para casa dormir e não pensei mais no assunto. Mas de vez em quando vinham-me ao espírito as lembranças daquelas imagens estranhas, daqueles seres do outro mundo mostrando-me seus dentes. Eram imagens fantásticas, surrealistas, e se algum dia o destino permitir, farei alguns desenhos para ver se consigo captar ao menos em parte a beleza e magia das expressões e dos designer desses seres... Descrevê-los com palavras é quase impossível. Sei que eram musculosos, fortes, com olhares magnéticos... Seus olhos pareciam poças de luz esverdeadas... Alguns desses olhos eram semelhantes ao âmbar, com luz dentro. Eram, de certa forma, feios, mas ao mesmo tempo, lindos, por serem totalmente diferentes de qualquer ser vivo deste mundo! A verdade é que eu não os vias com os olhos de carne, e sim, com os mesmos olhos que vemos os pensamentos, as lembranças, as imagens que passam pela nosso interior... Via-os até com os olhos fechados. E mesmo com os olhos fechados, tudo o que eu via era banhado por uma luz dourada intensa, como se estivesse num dia de pleno verão!
O tempo passou e um belo dia, estava eu diante do espelho barbeando-me quando lembrei-me daqueles seres e comecei a arreganhar os dentes tal como eles faziam, tentando até imitá-los. Qual não foi o meu espanto ao verificar que meus dentes estavam horríveis. Cheios de tártaros, cáries, amarelentos... Fazia anos que eu não ia ao dentista. Minha vida, ultimamente, andava tão movimentada que eu não tinha tempo de olhar para mim, para minha aparência... Senti vergonha de mim mesmo. Tenho certeza que muitos amigos e pessoas de minha família já haviam visto meus dentes nesse estado mas não tinham coragem de falar-me... Assim é o mundo. Ninguém tem coragem de dizer as verdades sobre nossos defeitos, fraquezas, e mesmo quando dizem, defendemo-nos, discutimos, teimamos, e acabamos nos aborrecendo com aqueles que ousaram tocar em assuntos tão delicados e que dizem respeito somente a nossa pessoa. No mundo é assim. Se você quer criar um inimigo, diga-lhe certas verdades sobre sua personalidade, sobre sua aparência... A maioria já sabe disso e mantém-se como aqueles três macaquinhos célebres que são vendidos nas lojas de brique-a-braques os quais são sempre representados tampando a boca, os olhos e os ouvidos...
O chá, porém, é um Ser de origem divina. Mostra-nos as verdades que precisamos saber de um jeito todo especial, mágico, maravilhoso, num clima espiritual e de tal forma que sempre tomamos providências imediatas para sanar o erro e melhorar-nos. É impossível beber o chá e continuarmos cometendo os mesmos erros, desatinos e “pecados” de sempre! O chá mostra-nos a verdade sobre nós mesmos, tal como somos realmente, não como nos imaginamos ser. O chá não nos engana, não nos ilude. É um espelho límpido e cristalino, que não deforma as imagens nele refletidas... Quando o bebemos, vemo-nos a nós mesmos, não o nosso corpo, mas nossa alma! Nossa psique! É necessário dizer que no outro dia de manhã fui correndo ao dentista iniciar um tratamento! Alguns dias depois já podia sorrir tranquilamente, pois meus dentes voltaram a sua brancura natural e agradável aos olhos.
Abel Fernandes




Clique sobre as fotos para ampliá-las






Foto Abel- - Flor da floresta amazônica - Porto Velho







Foto Abel - Araraquara








Foto Abel - Araraquara









Foto Abel - Araraquara










Foto Abel - Araraquara











Foto Abel - Araraquara












Foto Abel Araraquara Clique sobre a foto para ampliá-la













Foto Abel - Porto Velho














Foto Abel - Porto Velho















Foto Abel - Porto Velho